Crase

 

Crase

Crase não é acento. A crase é a fusão de sons vocálicos semelhantes. Porém, quando ocorre com a letra “a”, ele deve ser representado pelo acento grave. Por esse motivo não podemos nos referir a ele como “acento de crase”, o nome do acento indicativo de crase é o grave.

Exemplo:

Deste, é o resultado da fusão das palavras “De” e “Este”.

Disto, é o resultado da fusão das palavras “Di” e “Isto”.

 

Entrarei naquela casa amarela. (Crase)

Entregue este envelope àquele senhor. (Crase)

Entregue este envelope à secretária do curso. (Crase)

Ocorrências da Crase

A crase com a letra A ocorre devido a três motivos, sendo os dois mais fortes motivados por regência.

Motivação de Regência

A nossa língua portuguesa começa a ser escrita da esquerda para a direita. Nossos elementos mais importantes estariam a esquerda, os elementos menos importantes vão ficando a direita. O que é regência, a palavra lembra rei (Régia). O termo da esquerda normalmente domina o temo da direita. A dominação é realizada com os termos do termo a esquerda. Então regência é uma relação de dominação

Tive acesso a senha.

A palavra acesso exige o a… quem tem acesso tem acesso a alguma coisa. Não precisa ser verbo, qualquer palavra pode exigir. Este A exigido chama-se preposição.

Preposição A + A (artigo definido feminino)

Exemplo:

Dei razão à proposta de mudança.

Preposição A + A (aquele, aquela, aquilo, a qual, as quais, a).

Exemplo:

Dei razão àquele senhor.

Fiz uma questão igual à da FCC.

 

No segundo exemplo temos a fusão de preposição “a” exigida pela palavra “igual” com o artigo demonstrativo “a” (Fiz uma questão igual a aquela da FCC).

Atenção:

No caso do artigo “a qual” e “as quais”, tem-se um caso interessante:

 

As questões às quais fiz referência são do CESPE.

 

No exemplo acima, como pode ser visto, o as quais está fundido com um a preposição. Porém “As questões” não exigem preposição. Quem está exigindo a preposição, regência, é a palavra referência (quem faz referência, faz referência a alguma coisa). A regência do pronome relativo é feito de traz para frente.

 

Importante também saber, que nem sempre a palavra sendo feminina ele deverá ter crase.

 

Ele tem aversão a mulher.

Ele tem aversão à mulher.

Ele tem aversão a homem.

 

Como pode ser percebido em “aversão a homem” a palavra não tem o artigo, mesmo existindo a preposição, o que demonstra a falta da crase.

 

No primeiro exemplo, está se falando de qualquer mulher, no segundo com a crase o sentido é de uma mulher específica (aversão a aquela mulher – o a é pronome demonstrativo).

 

Refiro-me à lei.

Refiro-me a lei.

 

É possível se retirar a crase do primeiro exemplo sem prejuízo gramatical, porém haverá uma mudança de sentido. Como visto nos exemplos anteriores, a presença da crase especifica que estou falando de uma determinada lei. E sem a crase estarei me referindo a lei em geral.

 

Refiro-me à Lei 8.112.

 

Como acima estou especificando a lei, o mais correto é existir a crase.

 

Refiro-me a lei federal.

 

Mesmo existindo o “federal”, ainda temos diversas leis federais, por isso, pela ausência de especificação não deve haver crase. Pois se a crase for utilizada estamos mudando o sentido, informando que é a lei federal (especificando)

 

Então em resumo, podemos dizer que nos casos em que é possível utilizar a crase, e as retiramos estamos generalizando, e quando colocamos estamos especificando.

 

“… atuarem no combate à fome e à miséria no mundo.”

 

Na frase acima o emprego do acento grave está correto. Porém, o ideal é não emprega-lo. Pois ao contrário que possam imaginar a expressão “no mundo” não está especificando, mas generalizando, pois quando se fala no mundo está se dizendo qualquer fome e miséria, pois não existe outra fome e miséria.

 

Se ao invés de utilizar a expressão “no mundo”, tivéssemos “no Brasil”, teríamos uma especificação.

 

OBSERVAÇÃO: Como pode ser percebida, a crase nunca será obrigatória. Pois mesmo que ela possa ter a crase, retirando-a mudaremos o sentido. Porém existem dois tipos de exercícios. O primeiro pergunta-se qual das alternativas está gramaticalmente incorreta, nesses casos se houver crase, mas não exibir, esta questão está incorreta. Pois a pergunta é sempre sobre a possibilidade de crase. E a regra gramatical diz que sim

 

O segundo exercício é sobre a possibilidade de tirar a crase, então você saberá que é possível porém com a mudança do sentido.  É um exercício baseado na reflexão do emprego da classe, ou seja reflexão linguística. No campo da semântica a presença especifica, a ausência generaliza.

Motivado pelas Expressões Adverbiais Femininas

É a crase que não é resultado da exigência de uma preposição, pois o mesmo já tem esta preposição. Exemplo: À vista, à esquerda, à direita, à tarde, à mercê de, à frente de, à vontade de, à revelia, à frente, etc.

Exemplo:

Estou à espera de um milagre.

 

Como pode ser observada, a palavra “estou” não exige uma preposição. Percebe-se que não é uma crase motivada por regência, mas por “à espera de” ser uma expressão adverbial feminina.

Atenção:

Expressões adverbias femininas de instrumento não tem crase:

 

Tranquei tudo a chave.

Matei a bala.

 

Matou à facada.

 

Este último exemplo tem crase, pois o instrumento é a faca, e não a facada. Facada é o modo, logo é uma expressão adverbial feminina de modo e deve ter crase.

Não-ocorrência da Crase

Casos em que não ocorre crase:

Antes de palavras masculinas (aquele tem pois é iniciado com a)

Exemplo:

Paguei as contas a prazo.

 

O “a” é preposição, e prazo é masculina. Se este tivesse um artigo seria a letra “o”, o que impossibilitaria a ocorrência da crase.

Atenção:

O pronome “aquele” é uma exceção. Pois, se ele tivesse um artigo, este seria “o”. A ocorrência da crase neste caso será devido à fusão da preposição com a letra inicial do pronome “aquele”.

 

Refiro-me àquele indivíduo.

 

Esta crase acontece também com o pronome demonstrativo aquilo, etc.

Antes de verbos

Exemplo:

A partir de hoje, faremos exercícios.

Cenas dos próximos capítulos a seguir.

 

Partir e seguir são verbos, logo o A que o antecede não pode ser craseado.

Antes de artigos indefinidos

Exemplo:

Refiro-me a uma lei federal.

Antes de pronomes indefinidos

Exemplo:

Não dei isso a qualquer pessoa

Entre palavras repetidas

Exemplo:

Percorri o quintal de ponta a ponta.

Ficou cara a cara com o gol.

Antes de pronomes em geral: pessoais, tratamento, demonstrativo, indefinido, etc.

Exemplo:

Faça o convite a ela.

Faça o convite a esta mulher

Faça o convite a vossa senhora.

Ela é uma exceção a essa regra.

 

Pronomes não aceita artigo, exemplo:

 

A ela saiu de casa.

 

Logo, mesmo que você tenha o a preposição, não haverá o “a” artigo para realizar a fusão.

Atenção:

Aquele, aquilo, aquela, a qual, as quais, a são exceções pois tem o a integrado a palavra, por isso mesmo não tendo o artigo é possível ocorrer a crase.

 

Os pronomes possessivos femininos no singular têm crase facultativa, e não produz alteração de sentido. Exemplo: Minha, tua, sua, nossa, vossa.

 

Ficaremos atentos a/à sua reclamação.

 

Os pronomes de tratamento exclusivamente femininos podem receber crase.

 

Demos atenção à senhora que nos procurou.

 

Quando existir palavras femininas no plural, é preciso observar se o “a” está combinando em grau com a palavra feminina (no caso “ideias”):

 

Refiro-me a suas ideias

Refiro-me às suas ideias

 

No segundo exemplo, a presença do “as” indica que foi empregado o artigo, que fará fusão com o “a” preposição. Pois a preposição é invariável, se o a está no plural é porque existe um artigo definido.

 

Colocou-se perante a professora

 

Perante é uma preposição, e não se coloca preposição após preposição. Por esse motivo perante não deve ser utilizado como “perante a”. Por esse motivo a frase no masculino ficaria: Colocou-se perante o Juiz.

Convenções

Casa, terra, distância

Se o termo for usado isolado, ele não terá crase

Se estiver dentro de um contexto informando que casa é essa, que terra é essa, e qual distancia. Deverá ter crase.

Exemplo:

Voltei a terra.

Voltei à Terra. (Especificado, através da letra maiúscula que está se referindo ao Planeta)

Voltei à terra natal.

 

Vou a casa.

Vou à casa dos meus avós.

 

Ensino a distância.

Curso a distância.

Juiz de Fora fica à distância de 180Km do Rio de Janeiro.

Juiz de Fora fica a uma distância de 180KM do Rio de Janeiro.

 

A última construção não leva crase pois, não existe crase antes de artigo indefinido.

Preposição até poderá vir seguida de crase ou não, sem alterar o sentido. Porém isso se deve quando o até tiver um conceito de direção. Quando houver ideia de inclusão não haverá crase.

Exemplo:

Vou até a sala. (sentido de direção)

Vou até à sala. (sentido de direção)

 

Todos estavam na festa, até as crianças. (sentido de inclusão)

 

Todos foram, até as crianças. (sentido de inclusão)

Todos foram até às crianças. (sentido de direção)

Expressão “a moda de”

Esta expressão, mesmo subentendida, recebe crase.

Exemplo:

Cabelos à 80 estão voltando (Cabelos à moda dos anos 80).

Um Casaco à Alexandre Hercovich. (Um casaco à moda de Alexandre Hercovich).

Tutu à mineira.

Atenção:

Quando a expressão “a moda de” for seguida de um animal, não receberá crase. Pois animal na faz moda.

 

Frango a passarinho.

Bife a cavalo.

 

Reflexão sobre o emprego da crase.

 

·         Palavras femininas no singular podem ou não estar precedidas de crase. Isso implicará alteração semântica (significado). Exceções: Pronomes possessivos femininos no singular (não modifica a semântica); Palavras femininas no plural (não modifica semântica); expressões adverbiais femininas (não pode retirar a crase).

 

Exceção para o item expressões adverbiais femininas:

 

Saiu à francesa.

Saiu a francesa.

 

Caso a crase seja removida, deixará de ser uma expressão adverbial, tendo o significado modificado.

 

Pronomes indefinidos não recebem crase exceto no caso abaixo:

 

Ele fez o convite a outra (geral – a outra mulher).

Ele fez o convite à outra (especifica).

Resumo


Resolução de Questões de Concursos Anteriores

Sergipe Gás – Todos os Cargos – 2013 – FCC

Agora, as gravações levam a mensagem de Beethoven aos confins do planeta …

 

A frase acima se manterá gramaticalmente correta se o segmento grifado for substituído por:

 

a) à toda parte do planeta.

b) à região mais erma do planeta.

c) à cantos ermos do planeta.

d) à cada pedaço do planeta.

e) à partes desabitadas do planeta.

RESPOSTA: B

Com exceção da letra B as palavras não recebe artigo definido pois são palavras indefinidas (A,D,E), ou masculinas (cantos).

TRT 15ª Região – Analista Judiciário – 2013 – FCC

Não tenho dúvida …… os ambientalistas estejam …… procura de soluções sustentáveis …… agricultura e …… pecuária, mas é preciso reconhecer …… não é fácil encontrá-las. Parece que não há muito a fazer, as armas …… os ambientalistas combatem os desmandos não têm surtido os efeitos desejados.

 

As lacunas são preenchidas respectiva e corretamente por:

 

a) de que – à – para a – a – que – com que

b) que – a – na – na – de que – que

c) em que – à – para a – a – de que – que

d) de que – a – na – na – que – que

e) que – a – para a – na – de que – com que

RESPOSTA: A

·         De Que (Quem duvida, duvida de alguma coisa)

·         À procura de (Locuções prepositivas femininas levam crase);

·         Para a (Quem está a procura de soluções, está a procura de soluções para alguma coisa)

·         A pecuária.

·         Que (reconhecer é VTD);

·         Com que (Os ambientalistas combatem COM as armas.)

MPE-AP – Técnico Ministerial – 2012 – FCC

Devido …… rapidez das mensagens eletrônicas e ao excesso de informações transmitidas por e-mail, é comum depararmos com demonstrações de afeto em meio …… outros assuntos, o que diminui nossa sensibilidade …… tais atenções.

 

(Adaptado de http://infnetmidiasdigitais.wordpress.com/2011/01/ 05/a-evolucao-da-midia-da-carta-escrita-ao-e-mail-informatizado)

 

Preenchem corretamente as lacunas da frase acima, na ordem dada:

 

a) à – à – a

b) a – à – a

c) à – a – a

d) a – à – à

e) à – à – à

RESPOSTA: C

Devido a que? a rapidez das mensagens. O que é devido é devido a alguma coisa (VTD) exige o a + artigo = á

O segundo exemplo não tem crase, pois não se deve utilizar crase antes de pronomes indefinidos (Outros). Exceto em casos que o Outras são substantivos. Exemplo: Ele fez o convite à outra (A Outra, Amante).

No segundo e terceiro caso não se usa a crase pois estão diante de palavras no plural e isso é um caso proibitivo de crase, mesmo que existissem verbos com regência de artigo não se usaria. Proibitivo neste caso pois todas as crases da resposta estão em singular.

Em Meio A é uma conjunção, logo não pode ter crase;

VERBO DIMINUIR = TRANSITIVO DIRETO – SEM CRASE;

A TAIS ATENÇÕES = ARTIGO – SEM CRASE.

TRT 6ª Região – Técnico Judiciário – 2012 – FCC

…… procura de paisagens e culturas diversas, os turistas têm escolhido ultimamente locais menos conhecidos para as férias; ainda assim, poucos planejariam uma viagem de turismo …… destinos sujeitos …… crises políticas.

 

Preenchem corretamente as lacunas da frase acima, na ordem dada:

 

a) À – à – a

b) A – à – a

c) A – a – à

d) À – a – a

e) À – à – à

RESPOSTA: D

I – “À procura de” tem crase, pois trata-se de locução prepositiva. Exemplo: à beira de, à procura de…

II – “A destinos” não tem crase, não existe a presença do artigo, pois para existir o artigo “a” a palavra seguinte tem que ser um substantivo, feminino. Logo percebemos que destinos é masculino.

III – “a crises” não tem crase, pois o substantivo está no plural. Se o “a” está no singular então este “a” é preposição, pois se existisse um artigo ele deveria estar concordando com o substantivo no plural (“as”). Então, como para ter crase precisamos ter a preposição e o artigo, neste caso então não teremos crase. Macete: “a” no singular + palavra no plural, não há crase nem a pau!


Publicado

em

, , ,

por

Tags:

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *