Fita adesiva Elétrica

Matéria interessante do programa “Pequenas Empresas, Grandes negócios” da Rede Globo: “Fios pendurados na parede nunca mais! Agora é só colocar a fita elétrica adesiva. Um empresário do interior de São Paulo criou um produto inovador para os setores de Arquitetura, Construção Civil, Informática, áudio e video”.

Fita adesiva elétrica

Você deve estar se perguntando o que este video tem a ver com o assunto do blog; Bem, além de ser uma inovação, este produto pode ser a solução para a utilização de fios-terra em residências.

o que é fio-terra?

“O conceito básico da proteção contra choques é o de que os elétrons devem ser desviados da pessoa. O fio de cobre é um milhão de vezes melhor condutor do que o corpo humano, por isso se oferecermos aos elétrons dois caminhos para eles circularem (sendo um o corpo e o outro um fio), a maioria deles circulará pelo fio, minimizando os efeitos do choque na pessoa. Esse fio pelo qual irão circular os elétrons que escapam dos aparelhos é chamado de fio terra. Assim, a função do fio terra é recolher elétrons “fugitivos”, mas muitas vezes as pessoas esquecem de sua importância para a segurança.”

Não tenho números de estudos acadêmicos, porém, em todas as residências de amigos e conhecidos que eu fui, nunca vi uma casa que fosse preparada para utilização de fio-terra. O problema é que depois da casa ter sido construida ninguém quer mexer em suas paredes para conectar as tomadas ao terra, para implantar algo que, para muitos, não está fazendo falta alguma.

Este produto poderá incentivar a implantação do fio-terra pois é uma solução simples, limpa, e de baixo custo para implantação.

Importante lembrar que, em quedas de energia, a empresa responsável pela distribuição de energia de seu município pagará o aparelho eletrônico queimado, desde que a residência utilize tomadas aterradas (conectadas ao fio-terra).

Natural de Salvador-BA, é graduado em Analise de Sistemas pela Universidade Católica do Salvador (UCSal, 2003), e Especialista em Engenharia de Software pela Universidade Salvador (2010).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *